Buscar
cheap jordans|wholesale air max|wholesale jordans|wholesale jewelry

Colunas

Matérias Anteriores
Podcast Animagic retorna com o panorama de 2010

Podcast Animagic retorna com o panorama de 2010

Após 2 anos, o Podcast Animagic está de volta. Neste episódio do Podcast Animagic: o jornalista Celbi Pegoraro analisa o panorama do mundo da animação em 2010.

Sem spoilers, os lançamentos são analisados de acordo com seu contexto.

- Shrek para Sempre
- Toy Story 3
- Meu MalvadoFavorito
- Como Treinar o Seu Dragão
- Ponyo: Uma Amizade que veio do Mar
- Enrolados (ex-Rapunzel)
- O Ilusionista
- MegaMente

O novo episódio, assim como os anteriores, podem ser acessados no Podcast Animagic, que também está aberto para comentários.

Polêmica sobre a dublagem de Dragon Ball Z

Essa semana foi bastante movimentada para os fãs de Dragon Ball. Depois da notícia de que Wendel Bezerra não repetiria o papel de Goku na dublagem da série Kai pela BKS, as opiniões por parte dos fãs ficaram divididas. As informações são do site J-Box.

Além de Wendel e Wellington [Lima, dublador de Raditz e Majin Boo], circula a informação de que Alfredo Rollo (Vegeta), Melissa Garcia (Videl), Vagner Fagundes (Gohan jovem), Luiz Antonio Lobue (Picollo) Carlos Campanile (Freeza) e Gileno Santoro (Mestre Kame) ainda não teriam aceito participar da dublagem – sendo que alguns sequer foram convocados. Angélica Santos (Oolong) declarou em seu Twitter que também está fora, assim como Alexandre Marconato (Ten Shin Ran).

Ao contrário do que se tem comentado pela net afora, não existe um “boicote” por parte do elenco da série. A verdade é que muitos dubladores possuem problemas com o estúdio, sejam pessoais ou profissionais, o que impede que eles aceitem trabalhar novamente na casa. De qualquer forma, suas decisões não devem ser questionadas pelos fãs e sim respeitadas.

O colaborador Fernando Ventura fez alguns comentários sobre a polêmica da dublagem, dessa concorrência entre dublagens paulistas e cariocas, e sobre os vários comentários e ataques desferidos pelos fãs:

1  - As assim chamadas "dublagens mistas", feitas nas duas praças (São Paulo e Rio de Janeiro) podem ser, em determinados casos, as que mais se aproximam do ideal. A série "House of Mouse da Disney", até onde eu sei, foi um grande exemplo deste método, salvo alguns erros nas traduções dos nomes dos personagens (Gus - Gansolino, por exemplo) e a ausência de alguns dubladores já aposentados (Antonio Patiño - Tio Patinhas, por exemplo). Nelson Machado, sempre muito solícito com os fãs, me explicou anos atrás que era a fita master que viajava entre as duas cidades, permitindo portanto que os dubladores "oficiais" dos personagens os dublassem.

2 - Infelizmente também não é possível afirmar cegamente que apenas a presença das empresas japonesas no Brasil salvaria a pátria. Se "House of Mouse" foi um bom exemplo de dublagem feito em um período em que a Disney já tinha representação própria no país, o mesmo não pode ser dito da série que a seguiu, "A Casa do Mickey Mouse". Apesar de ter os mesmos personagens principais as mudanças drásticas no elenco doem no ouvido. Saíram os dubladores da Margarida, do Bafo-de-Onça e a Minie de Marli Bortoletto foi substituída por uma dubladora que, me perdoe, tem voz de taquara rachada, o mesmo problema que simplesmente tornou insuportável assistir ao Tambor dublado em "Bambi II". Logo o Tambor!

Cada caso é um caso - e nestes casos a Redibra dava um banho na Disney do Brasil em qualidade. Estou sendo nostálgico ou os Diesendrucks, Walter Nogueiras, Telmo Perle Münchs, Igayaras, Civitas simplesmente tinham mais PAIXÃO por Disney do que os atuais representantes/responsáveis?

Voltar



Este site está sob a licença Creative Commons, exceto aonde explicitamente descrito.