Buscar
cheap jordans|wholesale air max|wholesale jordans|wholesale jewelry

Colunas

Matérias Anteriores
Encontro para assistir "Bolt - Supercão" 3D em São Paulo

Encontro para assistir "Bolt - Supercão" 3D em São Paulo

Se você mora em São Paulo (capital) e está à toa, dê um pulo no Center 3 da Av. Paulista, amanhã (dia 10) para assistir "Bolt 3D". Trata-se do 10º Encontro AnimationS, que reúne fãs de animação há quase 10 anos. Se quiser encontrar o pessoal envie um e-mail ou tente achar o grupo lá.

O último "cheapquel" Disney!

Cheapquel para quem não sabe é a junção dos termos "cheap" (barato) e "sequel" (continuação ou sequencia). Acredito que a primeira pessoa a dizer este termo foi o animador Brian Mitchell. Enfim, a Disney ficou famosa por inundar o mercado com as continuações de seus maiores clássicos, o que deve explicar porque os filmes recentes para cinema são evitados. O Animagic raramente comenta essas continuações, mas desta vez abrimos exceção por ser tratar do último, SIM o último "cheapquel" Disney após a chegada de John Lasseter e Ed Catmull na chefia dos estúdios Disney e Pixar.

O amigo David Santos comentou (no fórum AnimationS) o lançamento do DVD "A Pequena Sereia – A Historia de Ariel". Confira boa parte do comentário abaixo:

A Pequena Sereia – A Historia de Ariel marca o fim da animação tradicional na Disney Toon e também o regresso aos filmes medíocres. Léguas de distancia do ótimo "CINDERELA 3", e inferior a outras seqüências como "MOGLI 2", esta prequel da Ariel, por pouco, só consegue ser mais razoável que o terrível "A Pequena Sereia 2".

O maior problema do filme é a superficialidade tanto da trama quanto da nova vilã, Marina del Ray. O fiapo de história – do banimento da música em Atlântica – não consegue sustentar o filme, é uma grande bobagem. Marina é uma vilã apagada e sem graça, que só chama a atenção pela ótima animação, com direito a muitas caras e bocas engraçadas. Vale alertar também que as canções originais são muito ruins. O filme possui um uso discreto de CGI em alguns elementos.

A dublagem do filme é horrível, as escolhas das vozes não foram felizes. Para terem uma idéia, o garoto irritante que faz a voz do Linguado é o mesmo do seriado "Zack e Cody" (saudades da dublagem excelente do Patrick de Oliveira). Não sei quem disse que esse garoto tinha voz boa para dublar. Não é preciso 5 minutos para Linguado virar um pentelho, até porque o roteiro não soube aproveita-lo bem. No final das contas, Linguado está mais infantil e bobo, ainda mais por suas piadinhas musicais. E a voz da Arista também é equivocada, preste atenção à interpretação. No geral, a dublagem também excedeu no uso de gírias, algo improvável para um filme de princesa.

A única coisa boa nessa produção é a linda paleta de cores que torna o oceano mais vivo e atrativo com animação de qualidade, além das seqüências musicais no Clube Peixe-Gato. Pena que esses pontos positivos se perdem em meio a uma trama morna, que envergonha o clássico original. Minha nota é 6!

Os extras são poucos e o que mais se destaca é os bastidores do musical da Broadway com entrevistas do elenco.

Voltar



Este site está sob a licença Creative Commons, exceto aonde explicitamente descrito.