Buscar
cheap jordans|wholesale air max|wholesale jordans|wholesale jewelry

Colunas

Matérias Anteriores
Miyazaki reclama da animação atual

Miyazaki reclama da animação atual

O consagrado animador e diretor Hayao Miyazaki não suporta a animação atual, de acordo com uma manchete do Straits Times de Cingapura. Durante uma entrevista sobre o filme "Ponyo on the Cliff by the Sea", Miyazaki voltou a criticar o excesso de aparelhos eletrônicos na vida dos jovens. Disse ainda que a animação atual é repleta de imagens estranhas e excêntricas.

Os animadores de seu estúdio são testados em ambiente em que celulares, iPods e outros aparelhos do gênero são proibidos. "Jovens estão cercados de coisas virtuais. Eles têm falta de experiência real de vida e perdem a imaginação. Animadores só pode desenhar de suas próprias experiências emotivas, dores e choque", conclui Miyazaki. O diretor diz que ainda que seu atual filme seja 100% tradicional (feito a mão), não rejeita a idéia de trabalhar utilizando outras técnicas.

Frank Marshall, Kathleen Kennedy and John Lasseter estão atualmente trabalhando na dublagem em inglês para os EUA tendo nas vozes Matt Damon, Tina Fey, Cate Blanchett, Liam Neeson, Lily Tomlin e Cloris Leachman.

O Castelo de Cagliostro

Falando em Miyazaki, gostaria de indicar este texto do blog do crítico João Solimeo sobre "O Castelo de Cagliostro", o primeiro longa-metragem do diretor japonês, que ficou mais conhecido no ocidente por produções primorosas como "A Viagem de Chihiro" e "O Castelo Animado". Se ainda não viu nenhum deles, faça isso o quanto antes! Publico trecho da crítica do João a seguir:

O roteiro acompanha um ladrão boa pinta chamado Lupin III (Lupin Terceiro, ou Lupin Neto) que salva a vida de uma princesa, apenas para vê-la ser seqüestrada novamente por vilões não identificados. Na fuga, a princesa deixa para trás um misterioso anel. Lupin e um companheiro de aventuras vão até o país de Cagliostro atrás da origem de umas notas falsificadas e para tentar salvar a princesa. A trama é complicada e envolve um conde falsário, uma espiã que pode ser tanto aliada quanto inimiga de Lupin, um personagem misterioso que parece um samurai e vários guardas com garras mortais.

O personagem Arséne Lupin foi criado por Maurice Leblanc no início do século XX, sendo contemporâneo do Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle. O que um personagem francês do início do século XX está fazendo em um filme animado japonês feito em 1979?

A animação japonesa (e a cultura japonesa em geral, na verdade) tem a característica de se apropriar da cultura estrangeira, lhe dar uma roupagem nova, bem japonesa, e colocar de volta no mundo. É frequente a influência européia nas animações de Hayao Miyazaki; mesmo que, no fundo, elas permaneçam inequivocadamente japonesas.

Em "Láputa, Castelo no Céu" (Tenkuu no Shiro Laputa, 1986), por exemplo, Miyazaki pegou "emprestada" a cidade flutuante de "Láputa", criada por Jonathan Swift em "As Viagens de Gulliver", para criar sua própria cidade aérea. O personagem principal de "O Castelo de Cagliostro", Lupin Terceiro, foi protagonista de duas séries animadas da televisão japonesa (a primeira co-dirigida pelo próprio Miyazaki em 1971) e um longa metragem.

A influência de Miyazaki pode ser notada em vários momentos do filme. Seu amor por máquinas (principalmente máquinas voadoras) pode ser visto no helicóptero que o vilão usa para chegar ao castelo. As engrenagens do relógio da torre também lembram muito o estilo que Miyazaki usaria em "Láputa" ou "Naushika" ("Naushika do Vale do Vento" é a obra prima de Hayao Miyazaki, produzido em 1984).

Há uma longa seqüência de perseguição entre estas engrenagens que é sem dúvida um feito para a animação da época, toda feita à mão e sem o uso de computadores. O DVD contém uma entrevista muito interessante com o diretor de animação do filme, Yasuo Ohtsuka. Ele conta que o filme foi produzido em apenas quatro meses e meio, com os animadores trabalhando dia e noite. Ele diz que hoje isso seria impossível, pois é tudo muito mais "fácil" e "rico". Ohtsuka diz que da "pobreza" se tira muito mais criatividade.

Assista ao trailer aqui (link do YouTube).

Voltar



Este site está sob a licença Creative Commons, exceto aonde explicitamente descrito.