Buscar
cheap jordans|wholesale air max|wholesale jordans|wholesale jewelry

Colunas

Matérias Anteriores

Colunas

Os Incríveis (The Incredibles - 2004)

Os Incríveis (The Incredibles - 2004)

Por Celbi Pegoraro (originalmente publicado em 22/01/2005)

Muitos esperavam o primeiro tropeço da Pixar, mas mais uma vez o estúdio emplaca um grande sucesso ao seu portfolio de animações.

Antes da sessão acompanhei aos fracos trailers de filmes "infantis" da temporada como Tainá 2 e Xuxa (e um tal de tesouro perdido), além da prévia de Robôs da Blue Sky (que apesar de bonito visualmente não atraiu risadas do público). O teaser de Cars (Carros) da Pixar também não foi muito bem recebido. O curta Boundin´ (Pular) do veterano Bud Luckey da Pixar pegou todo mundo de surpresa. Afinal, não é muito comum assistir curtas antes dos filmes, mas está se tornando tradição nos filmes da Pixar. Em outros tempos, veríamos curtas antes dos clássicos Disney. "Pular" conta a fábula da ovelha que todo ano passa pela situação humilhante de ser tosada e ficar lá nua na frente de seus vizinhos animais. A animação é toda cantada em verso e é bem simpática. Bud Luckey (o diretor e criador do curta) foi o responsável pelo design de Woody em Toy Story. "Pular" também foi indicado ao Oscar de curta de animação em 2004.

Os Incríveis foi escrito e dirigido por Brad Bird, um dos maiores talentos da animação da atual geração. Ele foi o criador e diretor de um dos melhores filmes animados da última década, O Gigante de Ferro (The Iron Giant) e fez parte da "nova geração" de animadores surgida na Disney nos anos 70. Ironicamente, por desprezo do marketing da Warner no lançamento do animado, "O gigante de Ferro" tornou-se um fracasso nas bilheterias. Após o fracasso, Brad Bird ficou impossibilitado de prosseguir com outro projeto que tinha em mente. Brad Bird foi contratado pela Pixar, onde desenvolveu este que seria mais um sucesso do estúdio: uma história sobre uma família de super-heróis Os Incríveis!

A premissa da história é que estamos num mundo onde é muito comum a presença de super-heróis ajudando a polícia a resolver os problemas da sociedade. Satirizando a "síndrome dos processos judiciais" existente nos EUA, os super-heróis acabam vítimas de processos, como Bob Parr/ Sr. Incrível (voz de Craig T. Nelson) que é processado por evitar o suicídio de um homem. Os super-heróis são condenados a deixar suas atividades, entrando num programa de proteção de identidade, que lhes dá novas vidas e identidades. Claro que para Bob Parr, agora casado com Helen (Elastigirl) isso está sendo uma decepção. Após quinze anos ocultos, Bob precisa agora encarar um novo desafio (graças a sua tentação de retornar a ativa) e enfrentar o vilão Síndrome (Syndrome).

Um aspecto negativo que gostaria de comentar nem tem muito a ver com o filme em si. Não vi a versão dublada (que foi um tanto criticada por aí), mas não entendi os motivos das legendas mostrarem os nomes dos personagens em português. Era extremamente irritante ver o bebê Jack-Jack sendo mostrado nas legendas como Zezé. Se é legendado, qual o problema em manter os nomes originais? Um toque para o pessoal da Buena Vista!

Os Incríveis

Os Incríveis chama atenção por ser o primeiro longa animado da Pixar sendo protagonizado por humanos. Diferente do medo que se tinha de fazer os humanos muito reais, o que quase detonou Shrek e foi fatal para Final Fantasy, a Pixar resolveu mostrar os humanos de forma caricaturizada, o que se mostrou decisão acertada da produção. Mesmo assim, os personagens continuam sendo muito acreditáveis. Isso talvez seja resultado da grande atenção dada as sutilezas dos diálogos e situações dos filmes. O problema dos filhos Dash (Flecha) e Violet (Violeta) precisarem ocultar seus poderes, fez com que o filme pudesse trabalhar essas nuances em discussões familiares. Tecnicamente, a animação avança mostrando movimentos fluidos para todo tipo de ação. Gostaria de chamar atenção para a cena em que os personagens estão na água. Movimentos de cabelos, expressões, olhares... tudo é muito perfeito na produção.

Uma coisa que parece ter dado um susto em boa parte do público é que Os Incríveis não é propriamente infantil, apesar das crianças poderem assistir sem problemas, mas é o filme mais adulto da Pixar. E além disso não é uma comédia, apesar de várias gags e idéias cômicas que passam na tela não comprometerem o andamento da história. O filme trata de temas como depressão, traição, vingança, mas sem nunca jogar isso na cara do público de forma absurda. Talvez a característica mais marcante do filme é que ele possui muita ação do início ao fim. Ao contrário do que é muito criticado em filmes de animação, as cenas de ação em "Os Incríveis" são bem mais longas e não sofrem com cortes abruptos. Outro ponto positivo é que o filme não mostra uma cena de ação final que torna previsível o que ocorre logo a seguir. O filme sempre tenta prosseguir com algo movimentado. Edna Mode e Helen Parr

Uma personagem que rouba a cena no filme é Edna Moda (dublada no original pelo diretor Brad Bird). A estilista especialista em roupas de super-heróis foi uma das preocupações principais dele. Sempre havia a dúvida de quem criava esses uniformes divertidos, e o filme mostra a resposta. A seqüência onde ela explica porque não vai usar capas em novos uniformes é ótima! Edna Mode, inspirada em uma série de personalidades (dizem que até de Edith Head) se mostra uma personagem super divertida, mas que poderia ter aparecido um pouco mais na parte final do filme.

Vamos falar de alguns aspectos negativos. Tive problemas com três personagens do filme. Primeiro foi o chefe de Bob Parr, o baixinho dublado no original por Gilbert Godfried (mais conhecido como o Iago em "Aladdin"), que ganhou uma cena enorme mas é logo esquecido na trama. Mirage (dublada por Elizabeth Penã) é mostrada como uma assistente ligada a Syndrome... mas como ela foi parar como cúmplice dele? E temos o super-herói "cool" Frozone (Gelado) também conhecido como Lucius Best, dublado por Samuel L. Jackson, que achei super legal, mas que foi desperdiçado aparecendo em poucas cenas. Na verdade até aqui são aspectos que pouco incomodam no andar do filme para o espectador comum. Tive mais problemas com o Syndrome. Após sua apresentação como Incrediboy (ou Guríncrivel) e depois atrapalhando o Sr. Incrível em sua luta contra Bomb Voyage, fica pouco explicado como o garoto cresceu e construiu todo aquele império para se vingar. Dublado por Jason Lee, Syndrome é um bom vilão, mas não sei se dos melhores (ou piores hehehe...). Talvez minha maior crítica ao filme tenha a ver com a disputa entre ele e o robô na cidade. Além desses robôs não serem tão inspirados, achei a coreografia da luta muito fraca. As cenas de ação anteriores são muito melhores, como a do Sr. Incrível enfrentando uma das versões do robô na ilha.

Uma tradição nas produções Pixar é algum brinde durante os créditos do filme. Existe um pensamento que a Pixar mimou o público com os bloopers (erros de gravação) que obviamente não deveriam se tornar obrigatórios em cada filme. Brad Bird também não queria os bloopers, mas achou que o público merecia o brinde. Para isso produziu uma das mais legais seqüências de créditos já vistas mostrando desenhos e animações mais estilizadas do filme. Tudo ao som do tema "Incredits". Alías, a trilha sonora do filme não decepcionada. Considerada por alguns como uma das melhores trilhas de 2004, Michael Giacchino compôs temas inspirados no jazz-instrumental de John Barry dos filmes de James Bond 007. Nota 10 para a trilha musical!

Com cenas de ação surpreendentes, animação tecnicamente perfeita e diálogos divertidos e mais realistas, Os Incríveis consegue ser um grande filme mesmo tirando todos os problemas apontados por mim acima. Resta saber se haverá continuação, já que o filme dá margem a isso.

Curiosidades Incríveis!

Underminer - John Ratzenberger- Michael Giacchinho é o compositor da trilha de "Os Incríveis". Originalmente o compositor escolhido era John Barry, responsável por temas clássicos dos filmes de James Bond 007. Os Incríveis também é o primeiro longa sem a participação de um compositor da família Newman. Randy Newman compôs para os quatro primeiros filmes. Seu primo, Thomas Newman, foi o compositor de "Procurando Nemo".

- Durante os créditos dos filmes Pixar, preste atenção bem no final ao "Production Babies". São listados quantos filhos de artistas e técnicos nasceram durante a produção!

- Brad Bird faz uma homenagem aos mestres da animação Disney - Frank Thomas (falecido a pouco tempo) e Ollie Johnston. A cena deles é rápida, mas pouca gente no cinema percebe a homenagem. Frank e Ollie dublaram os personagens. Ambos fizeram o mesmo em uma homenagem semelhante como maquinistas de um trem em O Gigante de Ferro.

- Considerado uma espécie de talismã da sorte, o ator John Ratzenberger (muito querido peloscolocando o cinto artistas do estúdio) conseguiu a proeza de dublar um personagem em todos os filmes da Pixar (começando pelo porquinho de Toy Story). Em Os Incríveis, Ratzenberger dubla o vilão Underminer que aparece no final do filme.

- As pessoas ainda não se acostumaram com outra tradição Pixar. Cenas mostradas nos teaser trailers geralmente não aparecem no filme. Isso ocorreu com Toy Story 2, Monstros S.A. e Procurando Nemo. Em Os Incríveis, muita gente sentiu falta da cômica cena do Sr. Incrível vestindo o cinto. Curiosamente o diálogo desta cena permanece no filme enquanto o personagem recebe a mensagem da Mirage.

"Os Incríveis" (dir: Brad Bird) - Walt Disney Pictures apresenta um filme Pixar Animation Studios

Produtor:John Walker;Produtor executivo: John Lasseter, música de Michael Giacchino; com as vozes (no original) de Craig T. Nelson, Holly Hunter, Samuel L. Jackson, Jason Lee, Elizabeth Penã, Brad Bird, John Ratzenberger, Wallace Shaw e Spencer Fox.

Voltar



Este site está sob a licença Creative Commons, exceto aonde explicitamente descrito.